Festividades

A relação entre as festividades e os alimentos é uma evidência histórica e social. 
 
As culturas mediterrânicas são marcadamente festivas. A cada estação do ano correspondem diferentes tarefas agrícolas, produções alimentares sazonais, das quais resulta a enorme riqueza de festividades cíclicas e das expressões culinárias. A festa, como fenómeno cultural, reflecte um período extraordinário, com suspensão do trabalho acompanhado de celebrações e rituais, de manifestações artísticas e jogos, durante o qual as comunidades mantêm intensa relação com as comidas e bebidas. É um período de interrupção do esforço continuado «pelo pão nosso de cada dia», uma celebração dos valores e crenças, das aspirações sociais, de evasão, convívio e divertimento.
 
Muitas festividades têm nos ciclos agrários e nos alimentos celebrados a expressão de aspirações de bem-estar colectivo, casos das festas florais da Primavera, “da espiga”, dos “santos populares” e das “colheitas” de cereais, das vindimas e dos magustos. 
 
As festas nas culturas mediterrânicas caracterizam-se por intensa convivialidade e partilha e são reguladas pelo normativo religioso e integração de iniciativas profanas. Atos simbólicos marcam os momentos da abertura e de encerramento da festa.